19/03/2009

ERA O MÍNIMO, NÉ?

O austríaco Josef Fritzl, que manteve sua filha num porão por 24 anos e teve sete filhos com ela, foi considerado culpado de assassinato de uma das sete crianças e condenado à prisão perpétua, que sera cumprida em um hospital psiquiátrico.

O júri do caso considerou Fritzl culpado de assassinato por negligência. Fritzl, de 73 anos, admitiu todas as acusações feitas contra ele - incluindo estupro, incesto, assassinato (por negligência) e prática de escravidão.

A promotora do Estado pediu durante o julgamento que Fritzl recebesse pena de prisão perpétua, pois, segundo ela, ele sabia que o bebê que morreu no porão corria perigo logo depois de nascer, mas não pediu ajuda.

Pela defesa, Rudolf Mayer contestou a acusação de homicídio afirmando que Fritzl admitiu a culpa em um estado emocional perturbado depois de assistir ao depoimento em vídeo da filha, Elisabeth.   --> "filhinha, me poupe, tá?"

Nenhum comentário: